Desburocratização, incentivo à inovação e mão de obra qualificada: fatores que contribuíram para a expansão das fintechs em Curitiba. Embora cidades como o Rio de Janeiro tenham se destacado antes no segmento, a capital paranaense investiu pesado para fazer parte deste cenário.

E os resultados são comprovados pelos números: a cidade saiu do 15º lugar no ranking das cidades mais empreendedoras do país para a 4ª posição. Um salto conquistado em apenas um ano, no intervalo do tempo entre 2016 e 2017. Os dados são do Índice de Cidades Empreendedoras, elaborado pela Endeavor.

Entre as ações que prepararam o terreno para o crescimento das fintechs em Curitiba, está o Vale do Pinhão, que visa centralizar iniciativas inovadoras em uma região próxima ao centro do município. A medida rendeu bons frutos e a capital curitibana já é sede de fintechs que atraem os olhares dos investidores, com promessas de grandes transformações. 

Confira abaixo alguns exemplos destas empresas especializadas no setor de finanças que estão localizadas na capital do Paraná.

Conheça 6 fintechs de Curitiba que prometem avançar

Ebanx

Vale começar a lista pela fintech mais famosa de Curitiba. A Ebanx é uma fintech de meio de pagamento, cujo negócio é oferecer formas de pagamento locais para que consumidores da América Latina façam compras em sites internacionais. Ou seja: sabe as compras que você faz em sites chineses como o Aliexpress? São viabilizadas pela Ebanx.

Recentemente, a Ebanx se tornou a primeira fintech unicórnio da região sul. A empresa alcançou este status no final de 2019, depois de anunciar a conclusão de uma rodada bem-sucedida de investimentos. Mais de 1.000 sites internacionais conseguiram avançar na América Latina graças à mediação da fintech de Curitiba. 

Agora, o projeto da empresa é oferecer soluções para pagamentos também dentro do Brasil.

Juno

Inicialmente, a Juno se chamava BoletoBancário.com e atuava somente como mediadora de cobranças, a partir da geração de boletos. Mas, a empresa decidiu mudar de nome e ampliar seu portfólio de serviços. Assim,  renasceu como foco diversificar soluções para pagamentos e simplificar serviços financeiros. Atualmente, a Juno já oferece até mesmo cartão de crédito pré pago.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Faça como milhares de empreendedores e receba os melhores conteúdos sobre o mundo Fintech em sua caixa de e-mail.

A fintech de Curitiba contabiliza números expressivos: saltou de 7.500 clientes em 2017 para 21 mil em 2019. Para este ano, ela possui a meta ousada de se aproximar de 100 mil clientes ativos. 

Contabilizei 

Outra fintech sediada em Curitiba que visa facilitar a vida de seus clientes é a Contabilizei. Focada em micro e pequenas empresas, ela possui uma plataforma online de contabilidade automatizada. A empresa, que já possui mais de 200 funcionários para atender cerca de 5 mil clientes planeja crescer 200% até 2021. 

Fazer a contabilidade de uma empresa no Brasil é um processo burocrático, tendo em vista que o País possui um sistema tributário complexo, com uma infinidade de obrigações fiscais. 

Mas, com a Contabilizei, tudo se torna mais rápido e seguro. Por meio de computação em nuvem e algoritmos, a plataforma apresenta aos empresários balanços e relatórios em tempo real. Além disso, os clientes contam com suporte de contadores e especialistas nos momentos de dúvida.

Fintech de contabilidade: saiba o que é e conheça 5 exemplos 

ROIT Bank 

A ROIT Bank se enquadra na mesma categoria da Contabilizei e possui o slogan “O Banco que Contabiliza”. A fintech também aposta nos softwares de inteligência artificial como meio de revolucionar a contabilidade das empresas. 

Criada em 2016, a empresa aderiu ao status de fintech somente no ano passado, após passar por transformações. O serviço funciona da seguinte forma: o cliente da ROIT Bank faz o envio diário de documentos como contratos, notas fiscais, boletos, faturas e etc. O sistema da fintech de Curitiba, então, reconhece e interpreta as informações, fazendo a análise fiscal adequada e sua classificação correta.

Em seguida, se tudo estiver correto, o fluxo continua com o agendamento dos pagamentos, por boletos ou transferências bancárias. Tudo automatizado, sem necessidade de intervenção humana. Cabe a empresa somente a autorização do pagamento. Por fim, todos os dados são lançados no sistema de gestão da companhia.

Em entrevista à IstoÉ Dinheiro, o sócio da fintech, Lucas Ribeiro, ressaltou a eficiência e segurança do “robô contador”.

“Em sete meses nós já passamos para 1 milhão de lançamentos sem nenhuma interação humana. Na parte contábil, 92% do que chega de documentação o robô consegue classificar sozinho com 99,9% de certeza de que está certo. Os outros 8% são feitos por um humano”.

Ohne

Criada pelo curitibano Diogo Vieira em 2016, a Ohne oferece empréstimo a pessoas físicas sem garantias. Os valores vão de R$ 1 mil até R$ 40 mil e caem na conta do cliente em até dois dias úteis.

A Ohne usa ferramentas de inteligência artificial para traçar o perfil do público e consegue, por exemplo, acessar informações do e-mail do usuário. Com isso e por meio da avaliação dos dados de órgãos como Serasa e SPC, é possível fazer a análise de crédito.

A fintech de Curitiba quer chegar à marca de R$ 1 bilhão em empréstimos até 2022.

Wuzu

Já a Wuzu atua em outra frente, direcionada para o mercado de capitais. Criada em 2016, a fintech de Curitiba está ajudando a implantar uma nova forma de investir em negócios sem precisar sair do sofá.

A Wuzu possui uma plataforma que permite a fundos de investimento, corretoras e bancos negociarem ativos do mercado digital de capitais financeiros, estando em qualquer lugar do mundo, 24 horas por dia.

Na prática, o usuário pode conhecer um investimento em um projeto de outro país e investir nele em poucos minutos.

A remuneração da empresa ocorre da mesma forma que numa bolsa tradicional, por meio do pagamento de taxas em cada operação de corretagem. A diferença é que são valores abaixo dos praticados no mercado tradicional. 

Para garantir a segurança das transações, a Wuzu utiliza a tecnologia de blockchain. 

Tecnologia e finanças caminham juntas

O ecossistema de fintechs no Brasil não para de crescer e as capitais não querem ficar de fora deste movimento. A proposta dessas empresas que usam a tecnologia para solucionar problemas do cotidiano é democratizar o acesso aos serviços financeiros e resolver, com rapidez e segurança, as “dores” de seus clientes.

Agora que você já sabe mais sobre as fintechs de Curitiba, não deixe de acompanhar as novidades deste segmento. Continue de olho em nosso blog para se manter informado sobre os próximos passos deste modelo de negócios que não para de inovar.

 

Comentários