Quando a família imperial desembarcou em águas cariocas em 1808, Dom João VI imediatamente viu a necessidade de criar um país que posteriormente seria independente, como uma das maiores nações do mundo e a maior da América Latina. 

O Brasil não é só um país promissor pela sua imensidão territorial que compete com continentes, mas pela capacidade de integrar diversos pontos positivos aos quais nenhum outro país do mundo consegue agregar simultaneamente. 

Alguns exemplos disso são:

  • Maior floresta equatorial do planeta;
  • País com a maior quantidade de água potável do mundo;
  • Solo fértil e cultivável o ano todo;
  • Maior tecnologia cultivável do planeta;
  • Avanços científicos constante na área da saúde;
  • Baixíssima possibilidade de catástrofes climáticas.


Esses são só alguns pontos que permitem com o Brasil seja um país de alta capacidade para o desenvolvimento de uma sociedade próspera e igualitária, mas que ainda sofre bastante com burocracias em excesso.

Historicamente, o brasileiro com o incentivo certo é capaz de criar inovações jamais vistas na humanidade. Santos Dumont criou o avião, Paulo Freire um sistema de educação inovador e único e o coração artificial pelo engenheiro mecânico Aron de Andrade.

Todas essas inovações criadas por brasileiros rondam o mundo, mas talvez por uma criação confusa ou a falta de oportunidade do conhecimento, faz muitos acreditarem que o empreendedorismo atrapalha. Mostraremos que isso é algo totalmente equivocado.

Desigualdade x Pobreza

Muito se fala que as empresas são geradoras de pobreza e que para uma pessoa ficar rica, necessariamente outra precisa ser pobre. É como se o dono de uma fábrica de ribbon para impressora  estivesse atrapalhando a vida de pessoas que trabalham para ele.

A pobreza existe desde que os seres humanos passaram a viver em sociedade. Até mesmo nas épocas tribais, onde as tribos que por natureza sabiam utilizar melhor os recursos prosperavam mais do que as outras. 

O fim da era feudal, com o advento do renascimento comercial e posteriormente o advento da Primeira Revolução Industrial, possibilitou o surgimento da criação para as massas, ou seja, tudo aquilo que era produzido somente para poucos passou a ser produzido para muitos.

Dessa forma, poderíamos dizer que foram os primeiros produtos promocionais personalizados.

Aquelas pessoas que não tinham trabalho e outras que nem podiam trabalhar, como as mulheres, passaram a ir para as fábricas produzir produtos que posteriormente eles mesmos comprariam. 

O fato é que a pobreza sempre existiu, mas a questão é que a maioria dos países com liberdade econômica permitem com que qualquer pessoa crie seu negócio, abrindo espaço para que mais pessoas cheguem às classes mais altas.

O empreendedor gera empregos, ou seja, dá oportunidade para aquele sem trabalho gerar renda, e futuramente, se for de seu desejo, abrir seu próprio negócio que dará a oportunidade para mais pessoas.

O fato do principal produto de venda ser sempre destinado a massa, como um display expositor, faz com que a demanda sempre exista, logo, sempre há compra e o ciclo se repete. 

O crescimento do micro empreendedorismo no Brasil

A desigualdade existente no Brasil não é a que fomenta a pobreza, o que fomenta pobreza é o controle das ações das pessoas centralizadas em um único órgão de poder que é incapaz, por natureza, de lidar com todas as demandas.

Um grande exemplo disso ocorre no Brasil em relação ao microempreendedorismo e os  trabalhos informais.

Existe um  caso bem conhecido em que os motoristas de aplicativo se recusaram a ir dentro das comunidades, por medo, preconceito e afins. No Brasil, mais de 5 milhões de pessoas moram em comunidades.

Logo, um empreendedor resolveu criar um sistema de aplicativo único para a comunidade em que ele morava. A aceitação foi enorme no local. Veja, você tem uma necessidade que gera oportunidade e todos ganham.

A diversidade e o empreendedorismo 

Você já deve ter visto muitas etiquetas para embalagens, mas já parou para pensar na origem de cada uma delas? Dentro de cada produto do maior ao menor que chega em nossas casas ou que está presente em nosso dia a dia.


Uma pessoa colocou a mão e dentro dessas milhares de pessoas, temos dos mais variados tipos e causas, gostos, gêneros, raça e etc. O mercado empreendedor brasileiro é tão extenso que foi capaz de criar negócios voltados à diversidade para integrar as pessoas.

Desde pessoas LGBTQIA +, até mulheres negras ou mães solteiras, a consciência atrelada à necessidade gerada pelo mercado faz com que as pessoas tenham mais oportunidades e consequentemente diminua a desigualdade. 

Aquela empresa que começou com etiquetas, hoje, já produz adesivos de parede personalizados, futuramente pode produzir papéis de parede e irá crescer conforme os consumidores forem aderindo.

Diverso, extenso e com as portas abertas para aqueles que querem e acreditam na possibilidade de empreender seja sozinho ou com mais envolvidos, o fato é que um mercado livre para empreender promove a ascensão social de todos. 

Mais opções mais consumo 

Uma empresa centenária que promove a venda de balões latex, provavelmente já vendeu borrachas em algum momento, afinal é a mesma matéria-prima. Veja, as opções do mercado são requisitadas pelos consumidores que acabam consumindo mais. 

O fator importante disso é que as remanescentes são as empresas que conseguiram se desenvolver de alguma forma, enquanto aquelas que não ofereciam o que era solicitado, acabam fechando. 

Cria-se então um padrão de qualidade que pela competitividade é aprimorado cada vez mais. Você pode até não gostar dos serviços de telefonia, mas tem que admitir que estão bem melhores do que eram há 15 anos atrás.

Porque não distribuir dinheiro 

Um tema interessante para finalizar nosso texto, e para facilitar a criação de negócios, é um incentivo interessante que os bancos ofereçam oportunidades de empréstimo, mas que não iludam as pessoas sobre a realidade.

O crédito instantâneo é uma falsa sensação que pode prejudicar as pessoas no momento da tomada de decisão sobre o que realmente deve ser feito. Considere buscar por uma  contabilidade em São Paulo e ver as suas possibilidades de investimento. 

A ideia central do empreendedorismo é a capacidade de produzir e vender o que o seu consumidor demanda e os constantes investimentos são para ampliação do negócio. 

O que é preciso, é a consciência daquilo que deve ser feito, como a locação de geradores de ideias e metas. Cria-se a necessidade de ir além daquilo que foi imaginado.

Isso é empreender e o Brasil agradece a todos os corajosos que ajudam tanto o país.

Comentários