Planejamento financeiro e investimentos, esses são temas que deveriam ser abordados desde a infância de cada cidadão, principalmente para que o país tivesse uma economia saudável, com a inflação sob controle.

Como nunca é tarde para começar, chegou a hora de aprender a se planejar financeiramente e a investir, fazendo com que seu dinheiro “trabalhe”, gerando mais frutos e rendas para você.

Seja ao nível pessoal, ou mesmo para a abertura de empresa em São Paulo ou na região que preferir, ter esse entendimento é fundamental para sua tranquilidade e estabilidade financeira. Continue lendo e confira:

O que é planejamento financeiro?

Planejamento financeiro significa organizar as finanças, sejam elas pessoais ou empresariais, criando estabilidade e uma proteção quanto à satisfação de suas necessidades ao longo do tempo.

Trata-se de uma ferramenta poderosa para alcançar objetivos em curto, médio e longo prazo, e realizar os seus sonhos e de sua família, como viagens, estudos dos filhos, cursos de especialização, e garantir a aposentadoria.

Ou mesmo para abrir aquele negócio que finalmente permitirá mostrar seus talentos ao mundo, como um ateliê de arte, uma loja de cupcakes decorados ou um e-commerce de itens personalizados, como camisetas ou carimbo de borracha.

Planejamento financeiro requer disciplina e organização para agir em prol das metas que estabelecer, ou seja, é uma estratégia a ser desenvolvida diariamente pelos próximos anos de sua vida, uma vez que visa o longo prazo.

Por que devo investir meu dinheiro?

Investir seu dinheiro é a forma de garantir que ele não se desvalorize com o passar do tempo, uma vez que a inflação é uma tendência do mercado. 

A taxa de inflação reflete o percentual de aumento nos preços dos bens e serviços em um determinado período, como nos alimentos, itens de vestuário, eletrodomésticos, fornecimento de energia elétrica, água e tratamento de esgoto.

Assim como no custo da mão de obra e matéria-prima, pensando na indústria, seria como as chapas de policarbonato e maquinário. 

Na prática, basta pensar no que conseguia comprar com R$50,00 há alguns anos e agora. Da mesma forma, se hoje você possui R$5 mil, o que consegue comprar não será o mesmo que conseguirá daqui a 5 ou 10 anos. 

Em outras palavras, a inflação reflete a perda do poder de compra ou do valor do dinheiro, e esse é o motivo pelo qual você deve investir: para que ele renda e compense sua desvalorização com o passar do tempo.

Um investimento significa, literalmente, dar um emprego ao seu dinheiro, ou seja, fazer com que ele trabalhe, potencializando seus ganhos, independentemente de você receber um aumento ou ter que trabalhar mais horas por dia.

Existem diversas formas e opções para investir, como ações, previdência privada, títulos públicos ou fundos de investimento.

Além disso, abrir seu próprio negócio ou incrementar um já existente, expandindo o valor agregado na soma dos valores referentes a cada etiqueta patrimonio, também é uma forma de investimento.

A questão aqui é que investir não é apostar, e se você aplicar seu dinheiro sem conhecer os detalhes do investimento, suas projeções, custos e riscos envolvidos, você está simplesmente apostando.

E é nesse ponto que retomamos a necessidade do planejamento financeiro: você precisa de planejamento para ter dinheiro para investir, e depois, para cuidar do que foi investido.

Mesmo que você conte atualmente com um regime de trabalho do tipo CLT em uma organização fabricante de papel para modelagem, ou pague seus impostos como empreendedor autônomo para poder contar com a previdência social no futuro.

Saiba que esse é um sistema prestes a acabar: a responsabilidade do planejamento previdenciário, cada vez mais, está sendo deslocada do governo para os indivíduos.

Bônus: 6 dicas para seu planejamento financeiro 

Agora que você entendeu a relação e a importância entre um bom planejamento financeiro pessoal e seus investimentos, confira as dicas que separamos para fazê-lo de forma mais assertiva, aplicando esses conhecimentos para aumentar seus lucros e seu patrimônio:

  1. Tenha consciência da situação atual   

O primeiro passo é realizar um diagnóstico detalhado da situação atual, considerando pontos como:

  • Salário e rendimentos atuais;
  • Estabilidade de suas fontes de renda;
  • Apuração de gastos considerando custos básicos e desejáveis;
  • Previsões de receitas e gastos extraordinários no futuro.

Somente com uma visualização completa e real do panorama de sua vida financeira, no presente, é possível iniciar um planejamento para o futuro.

E se você estiver fazendo o planejamento financeiro de uma empresa, considere aqui custos e benefícios de soluções que pretende implementar a curto prazo, como terceirização de folha de pagamento ou adoção do home office parcial, por exemplo.

  1. Defina seus objetivos, metas e sonhos

Agora, reflita sobre seus sonhos e ideais de vida, pense sobre onde quer chegar, quais são suas pretensões para o futuro: defina quais são seus objetivos a curto, médio e longo prazo, e crie metas para conquistá-los.

Alguns erros muito comuns são: não delinear os objetivos financeiros ou fazer planos apenas a curto prazo, não pensando em sua situação daqui a 10 ou 20 anos.

  1. Elabore seu controle financeiro (e pratique-o)

O terceiro passo, é elaborar como fará o controle de suas receitas e gastos. Existem muitas opções de aplicativos ou modelos de planilhas para isso.

Independentemente se você está pensando em sua empresa de gravação em aço ou em sua vida pessoal, encare a situação como um empreendimento, que precisa gerar lucro.

Uma dica é aproveitar planilhas pré-estruturadas para gestão financeira empresarial e adaptar à sua realidade. O Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) é uma fonte interessante para obter modelos e aprender mais sobre o assunto.

Categorize suas despesas, veja o que realmente é importante, quais são seus gastos e ganhos fixos, e com o que está desperdiçando seu dinheiro.

Ao ver quanto sobra no fim do mês, defina metas mensais para economizar, assim vai formar seu capital inicial, gerando sua reserva de emergência para investir, potencializando e valorizando seus ganhos.

E atenção: é necessário ter disciplina e manter um acompanhamento rígido, ou logo perderá o controle. 

Considere toda e qualquer entrada ou saída de recursos, pois, ao ter controle sobre a situação, pode perceber que economizar aquele café diário que você nem se importaria de anotar, pode ser a renda necessária para iniciar sua reserva financeira.

  1. Estude para começar a investir

Agora que você já se planejou e fez sua reserva, tenha sabedoria sobre como vai desenvolver suas estratégias de investimento.

“Fazer dinheiro” requer estudo, inteligência e perspicácia para acompanhar o mercado e suas flutuações, pois o que compensa hoje, pode não compensar mais amanhã, e ter essa consciência é o ponto-chave de um investidor de sucesso. 

É fundamental se informar sobre os riscos, custos, taxas de juros, impostos, situação do mercado, e os reais retornos de cada investimento. Só assim saberá o que, como e quando fazer.

Aconselhamos destinar a maior parte de suas reservas à renda fixa, que garante maior segurança e retornos previsíveis já no momento da aplicação. Analise opções como:

  • CDB (Certificado de Depósito Bancário);
  • Tesouro Direto (títulos da dívida pública);
  • LCI (Letra de Crédito Imobiliário);
  • LCA (Letra de Crédito do Agronegócio).

Após garantir certa segurança, vale buscar uma melhor remuneração na renda variável, como o mercado de ações, mas é importante saber que, assim como ganhos maiores, também envolve riscos maiores, e depende muito de sua dedicação para funcionar.

  1. Diversifique seus investimentos

Aconselhamos não concentrar todos os seus esforços e recursos em apenas um tipo de investimento, pois assim se assegura frente a diferentes cenários econômicos, reduzindo consideravelmente seus riscos.

  1. Monitore continuamente seus investimentos

Assim como seu planejamento financeiro deve ser monitorado diariamente, é imprescindível estabelecer uma rotina de monitoramento para seus investimentos. O mercado está em constante mudança, e não se atentar a isso, possivelmente, acarretará prejuízos.

Acompanhe o cenário local e mundial, notícias e boletins econômicos, assim como as flutuações da inflação e as taxas de rendimento de seus investimentos, como em um grande fabricante de maquinário, como seladora de pedal.

Considerações finais

Fazer um planejamento financeiro, investir seu dinheiro e contar com uma boa estabilidade financeira, pode ser mais simples do que imagina, mas isso demanda organização e disciplina.

É essencial estudar e acompanhar as novidades para descobrir quais investimentos compensam mais e condizem com seu perfil, diversificar para garantir diferentes fontes de ativos, e gerenciá-los assertivamente.

Prepare-se para possíveis imprevistos e sempre zele por sua reserva de emergência. E tenha muito cuidado com investimentos que geram um retorno negativo, ou seja, abaixo da taxa de inflação, como a caderneta de poupança.

Quem trabalha sabe o real valor do dinheiro e as dificuldades para consegui-lo, então cuide bem do seu e garanta uma vida mais tranquila.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Comentários