Empresas que estão buscando alternativas para reduzir suas despesas precisam entender como funciona o Mercado Livre de Energia. Nele é possível adquirir energia elétrica de outros fornecedores além das tradicionais concessionárias que já operam no mercado hoje e, assim, alcançar até 35% de economia com a conta de energia elétrica.

Segundo uma pesquisa do Sebrae, apenas a conta de luz representa 15,4% de todos os gastos de um negócio. Isso significa que, se a pretensão é diminuir as despesas que hoje comprometem o caixa da empresa, então migrar para o Mercado Livre de Energia pode ser uma solução a ser considerada.

É claro que existem regras que precisam ser seguidas para que uma empresa possa entrar no Mercado Livre de Energia, por isso aqui vamos explicar tudo o que você precisa saber a respeito de como funciona o Mercado Livre de Energia para considerar se essa é uma alternativa para o seu negócio.

Inclusive, de acordo com um levantamento da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), 80% dos consumidores gostariam de poder escolher o fornecedor de energia elétrica. A própria Abraceel defende o Mercado Livre de Energia como uma alternativa, pois isso tornaria o setor mais competitivo.

Preparado para conhecer mais esse assunto, bem como quais são as principais diretrizes do Mercado Livre de Energia, vantagens e se há algum risco nesse mercado?

Inscreva-se em nossa Newsletter

Faça como milhares de empreendedores e receba os melhores conteúdos sobre o mundo Fintech em sua caixa de e-mail.

Continue lendo e tire todas as suas dúvidas!

Como funciona o Mercado Livre de Energia

No Mercado Livre de Energia, os consumidores podem negociar preço, prazo, volume e forma de pagamento diretamente com as empresas geradoras ou comercializadoras de energia elétrica. 

Pode até parecer que não é real, mas escolher um fornecedor de energia com o melhor custo benefício é uma opção que está se tornando realidade para cada vez mais empresas a cada ano que passa. De acordo com levantamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), no último ano houve um crescimento de 22% no volume de consumidores que passaram do mercado cativo para o mercado livre. 

Porém, para fazer a migração para esse setor e ter a liberdade de negociar o preço da sua energia, é preciso entender como funciona o Mercado Livre de Energia. O primeiro deles é que o setor energético brasileiro é atualmente segmentado em dois “ambientes”:

  • Ambiente de Contratação Regulada (ACR): formado por consumidores cativos que têm acesso à energia com tarifas estabelecidas pelo governo e pagam mensalmente pelo serviço de distribuição e de geração de energia;
  • Ambiente de Contratação Livre (ACL): são os consumidores livres que negociam energia no Mercado Livre de Energia e podem encontrar preços melhores do que os normalmente disponíveis no ambiente regulado. Hoje representa cerca de 30% do mercado energético do Brasil.

Assim, para fazer a migração para o Ambiente de Contratação Livre e poder negociar no Mercado Livre de Energia, é preciso seguir algumas regras e atender alguns requisitos mínimos

O primeiro deles é se tornar um agente na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), instituição que regulamenta as negociações de energia elétrica no país.

Depois, é preciso se enquadrar em algumas das categorias abaixo: 

  • Consumidor Livre: tem uma demanda mínima de 2.000 kW e pode escolher o fornecedor de energia elétrica por meio de livre negociação;
  • Consumidor Especial: tem uma demanda entre 500 kW e 2MW, podendo adquirir energia de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) ou de fontes renováveis como  eólica, biomassa ou solar;
  • Comunhão: caso a empresa não tenha demanda suficiente para conseguir entrar no Mercado Livre, é possível fazer uma comunhão de cargas com outras unidades consumidoras para atingir o mínimo necessário de 500 kW. Porém, isso apenas é válido para consumidores com o mesmo CNPJ ou localizados em áreas que não são separadas por vias públicas.

Estando tudo certo em relação aos requisitos anteriores, é preciso informar a migração para o Mercado Livre e rescindir contrato junto à atual distribuidora de energia, o que pode ser efetivado em até 12 meses, dependendo do tipo do contrato.

Quais empresas podem operar no Mercado Livre de Energia

Empresas de qualquer segmento podem fazer parte do ACL, desde que tenham a demanda mínima de energia necessária para operar no Mercado Livre de Energia, pois não há nenhuma restrição em relação a isso. Porém, apenas empresas com uma alta demanda de energia conseguem entrar no Mercado Livre para negociar energia. 

Para fins de comparação, um transformador de rua comum que atende a diversas residências tem uma capacidade de gerar cerca de 75 kW, ao passo que é preciso ter uma demanda mínima de 500 kW para pelo menos negociar energia de fontes alternativas.

A boa notícia é que um projeto de lei que está em tramitação no Senado Federal propõe a abertura do Mercado Livre de Energia para todos os consumidores. Aqui você pode conferir todos os detalhes da proposta.

Vantagens do Mercado Livre de Energia

Dentre algumas das vantagens das inovações Mercado Livre de Energia para o setor energético, está a liberdade em poder escolher seu fornecedor de energia, identificando qual geradora ou comercializadora de energia elétrica atende melhor às demandas da sua empresa e, assim, negociar melhores condições de contratação. 

Falando em inovação, veja aqui 4 dicas de como inovar na sua empresa.

Além disso, é possível contratar carga sob medida de acordo com as necessidades do negócio e, por consequência, ter maior previsibilidade sobre quais serão os custos com essa despesa. Isso porque é possível fechar contratos em que os valores são válidos ao longo de todo o período de contratação, sem sofrer oscilações imprevisíveis que possam comprometer o orçamento da empresa.

E, claro, como citamos no começo deste artigo, a redução em até 35% na conta de energia elétrica. “Mas como isso é possível?”, você pode estar se perguntando. O fato é que, como o Mercado Livre de Energia tem diversos fornecedores buscando cada vez mais clientes, os preços acabam se tornando muito competitivos, o que beneficia as empresas que irão contratar a energia.

Quer saber mais? Aqui você confere todos os detalhes sobre as vantagens e desvantagens do Mercado Livre de Energia.

Como migrar para o Mercado Livre de Energia

É recomendável que o processo de migração para o Mercado Livre de Energia seja feito com o suporte de uma consultoria especializada no assunto e que tenha conhecimento de todas as regras, documentações e obrigações legais para que tudo seja feito com tranquilidade e segurança.

A Esfera Energia, por exemplo, é uma empresa que realiza a consultoria completa para ajudar seus clientes a migrarem para o Mercado Livre de Energia, oferecendo apoio legal e operacional ao longo de todas as etapas. Além disso, a empresa também atua nas negociações para garantir as melhores condições possíveis na contratação de energia.

Conheça a Esfera:

Agora que você já sabe como funciona o Mercado Livre de Energia, pode começar a considerar essa alternativa para reduzir exponencialmente seus custos com a conta de luz e, assim, otimizar os recursos financeiros da sua empresa.

Esse artigo foi escrito pela Esfera Energia, empresa referência nacional em gestão de energia no Mercado Livre de Energia. 

Comentários