Você sabe dizer quanto sua empresa precisa de capital de giro para operar sem sustos e pagar suas obrigações tranquilamente?

A diferença de tempo entre entradas e saídas de caixa pode fazer com que uma empresa precise de um fôlego monetário para se sustentar enquanto as receitas de vendas não entram, para que ela possa pagar seus fornecedores, funcionários e outros gastos.

Esse valor se chama capital de giro.

Mas você sabe como calcular a sua necessidade de capital de giro?

Neste post, você vai entender melhor o que é NCG, necessidade de capital de giro, conhecer sua fórmula e, assim, saber como fazer a gestão financeira da empresa com mais tranquilidade.

Afinal, esse é um dos principais indicadores para quem quer saber como está a saúde financeira da empresa.

Leia também: 4 piores erros ao fazer a gestão financeira no varejo

O que é NCG, necessidade de capital de giro?

O capital de giro de uma empresa são os valores que ela tem disponíveis de forma imediata para pagar suas contas. Isto é: que têm liquidez instantânea, ou muito rápida.

Por exemplo: um depósito em conta corrente pode ser usado para pagar uma conta na hora.

Um recebimento de cliente, mesmo que seja para daqui alguns dias, também pode ser usado rapidamente para pagar sua contas que vão vencer nos próximos dias. E, caso necessário, sempre pode-se antecipar esses valores com o banco.

Mas o que é NCG, necessidade de capital de giro?

Nesse caso, trata-se de um cálculo para descobrir qual o montante necessários da capital de giro que a empresa deve manter para pagar suas contas com tranquilidade.

Ficou claro para você o que é NCG, necessidade de capital de giro? Então, confira este vídeo do SEBRAE com mais dicas sobre esse tema:

Necessidade de capital de giro para empresa: 3 fórmulas principais

Agora que você já sabe o que é NCG, necessidade de capital de giro, está na hora de descobrir como calcular essa necessidade de capital de giro para a empresa.

Para isso, existem diversas fórmulas.

Selecionamos 3 das mais usadas e explicamos para você como fazer os cálculos.

1- Usando ativo e passivo circulante operacional

Uma forma de calcular a necessidade de capital de giro de uma empresa é comparando aquilo que a empresa tem em valores que pode usar rapidamente (o chamado ativo circulante operacional) e as suas obrigações de curto prazo (o passivo circulante operacional).

O ativo circulante operacional é o dinheiro que a empresa tem em caixa, em sua conta corrente, por exemplo, e pagamentos que serão feitos por clientes em curto prazo (vendas realizadas e cujos pagamentos serão feitos em breve).

Já o passivo circulante operacional são as obrigações da empresa com fornecedores, salários, aluguel etc.

A fórmula para calcular a necessidade de capital de giro segundo esse critério é:

NCG = Ativo Circulante Operacional – Passivo Circulante Operacional

Assim, uma empresa que tem um passivo circulante operacional maior que o ativo circulante operacional terá esse valor com a necessidade de capital de giro.

2- Usando contas a receber, estoque e contas a pagar

Outra forma de fazer esse cálculo da necessidade de capital de giro de forma mais ágil é usar simplesmente o valor de suas contas a receber, somar a ele o seu valor de estoque e subtrair o total de suas contas a pagar.

A fórmula da necessidade de capital de giro, nesse caso, seria esta:

NCG = Contas a Receber + Estoque – Contas a Pagar

3- Usando prazos médios de pagamento e recebimento

Esse tipo de cálculo da necessidade de capital de giro se diferencia da anterior porque não tem um resultado na forma de valor monetário, mas de tempo.

Isto é: essa fórmula da necessidade de capital de giro indica quanto tempo a empresa poderá ficar sem a necessidade de receber um capital extra para pagar as contas.

Seu cálculo é um pouco mais complexo.

Veja a fórmula:

NCG = prazos médios de recebimento – prazos médios de pagamento

Mas como saber seu prazo médio de pagamento (PMP) e o prazo médio de recebimento (PMR)?

Outras fórmulas são necessárias:

PMP = (valor a pagar a fornecedores / compras brutas) x 360

Para o valor médio de recebimento, é preciso fazer uma média ponderada dos valores a receber e o prazo de recebimento, veja:

PMR = (valor 1 x prazo 1) + (valor 2 x prazo 2) + (valor N x prazo N)

(valor 1 + valor 2 + valor N)

Em seguida, substituem-se esses dois valores na fórmula inicial. O resultado, como dissemos, será o número de dias que a empresa pode ficar sem a necessidade de capital de giro.

Como calcular tudo isso em segundos?

Quem conta com um sistema de gestão integrada, um ERP, tem acesso a esses números de forma automática, sem ter que fazer cálculos complicados.

Um ERP é uma ferramenta de gestão empresarial fundamental nos dias de hoje, para qualquer tipo de negócio.

Existem ERPs dos mais variados tipos, para diversos portes de empresa e ramos de negócio. Seja um startup, fintech, indústria, serviços ou varejo, pesquise com cuidado e encontre o ERP ideal para o seu negócio.

* Este post foi escrito por Marcos Nannetti, Diretor de Operações da Nérus, empresa especializada em softwares de gestão de varejo.

Comentários