As startups são muito mais que uma moda passageira ou “palavra” da vez. Hoje, muitas delas, como Slack e AirBnB, provaram que uma boa ideia, gerida da maneira certa, pode se transformar em um gigantesco negócio de sucesso.

Mas o que são startups, afinal? Como gerenciar e fazer o planejamento estratégico de uma startup?

As startups são empresas regidas basicamente por uma palavra-chave: inovação. De caráter disruptivo, esse modelo de negócio costuma estar inserido em um contexto de risco elevado, mas, por outro lado, busca desenvolver soluções com escalabilidade e de alto potencial lucrativo.

Nesse sentido, a gestão de startups precisa obedecer a uma lógica de crescimento acelerado. Isso ocorre porque não há tempo para esperar o negócio atrair a atenção do mercado e só então começar a gerar lucro.

O objetivo da gestão dessas empresas é conseguir se desenvolver rapidamente. A intenção é lançar os produtos com agilidade e fazer os aprimoramentos necessários, tudo isso a partir de testes cíclicos junto com o público consumidor.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Faça como milhares de empreendedores e receba os melhores conteúdos sobre o mundo Fintech em sua caixa de e-mail.

O crescimento arrastado e a passos curtos não é uma opção para os donos de startups. Essas empresas precisam “decolar” rapidamente e, aliás, é por isso que muitas vezes se associam as startups com imagens de foguetes decolando.

Dessa forma, para fazer o negócio decolar, existem algumas metodologias de gestão de startups que podem ser colocadas em prática. Uma delas é a Lean Startup.

Neste artigo, você vai entender o que é essa metodologia de gestão, seus principais elementos a serem considerados na gestão de uma empresa de crescimento acelerado e os benefícios que o Lean pode trazer para a sua startup.

A metodologia Lean para gestão de startups

Em tradução livre, “Lean” significa “enxuto”. Ou seja, Lean Startup é a metodologia da startup enxuta. Sem excessos, com baixos custos e muita agilidade na tomada de decisão.

Esse conceito se popularizou a partir da publicação do livro The Lean Startup, de Eric Ries. Na obra, o autor explica que essa metodologia de gestão de startups se baseia na identificação e redução de desperdícios, além da experimentação direta com aqueles que vão consumir os produtos ou serviços da startup.

No método Lean, as startups colocam em prática o circuito de reação, no qual cria-se uma primeira versão do produto, mede-se a reação dos clientes e aprimora-se o produto a cada nova versão em um ciclo contínuo.

São as chamadas iterações: pequenos passos e progressos que, pouco a pouco vão levando a um resultado que é exatamente o que os clientes desejam, porque tudo foi testado com eles.

Esse circuito é potencializado com a presença do MVP, que é o Produto Mínimo Viável. Trata-se de uma versão desenvolvida de maneira ágil e econômica. O objetivo é apresentá-la ao público consumidor, coletar feedbacks, validar certas premissas e fazer as melhorias necessárias em versões futuras.

Em muitos casos, o MVP é um mero protótipo, não algo que será realmente lançado no mercado exatamente daquela forma. Trata-se, na verdade, de uma maneira de testar ideias junto ao público-alvo. 

Assim, o MVP é um importante instrumento de teste. Ele ajuda a startup a antecipar problemas e, se for preciso, reconfigurar toda a estratégia de negócio.

Confira este vídeo do Sebrae com mais informações sobre o MVP:

Principais elementos para a gestão de startups no método Lean

No geral, existem 3 elementos fundamentais que devem ser considerados na hora de colocar em prática a metodologia Lean Startup. São eles:

1 – Teste de hipóteses

Na gestão de startups pelo método Lean, os produtos são desenvolvidos a partir de hipóteses e testes práticos de validação. Ou seja, não é necessário elaborar um plano de negócio extremamente complexo e rígido.

Tudo parte da experimentação cíclica, que se dá de maneira contínua junto aos clientes.

2 – Aprendizado

Para crescer com agilidade, as startups precisam internalizar o aprendizado. Isso significa criar a consciência de que o feedback coletado na etapa de teste é uma importante fonte de informação para entender o público e fazer os aprimoramentos necessários.

3 – Colaboradores de alta performance

O capital humano é também um elemento fundamental para o sucesso das startups. Para que a empresa consiga se desenvolver rapidamente e gerar bons lucros, é necessários contar com colaboradores que operem de maneira dinâmica e ágil, atingindo performances de alto nível.

Nesse sentido, é importante que a startup saiba recrutar talentos que estejam alinhados aos objetivos e à realidade da empresa 

Escolher os profissionais certos pode fazer toda a diferença nos resultados da sua startup.

Quais as vantagens do método Lean Startup?

O uso da metodologia Lean para gestão de startups pode trazer uma série de benefícios para esse tipo de empresa. Dentre as principais vantagens, podemos citar:

  • Aumento da produtividades;
  • Otimização de tempo e de dinheiro;
  • Redução do custo operacionais;
  • Eliminação de desperdícios;
  • Desenvolvimento sustentável da startup;
  • Aumento do potencial lucrativo da startup;
  • Maior conhecimento sobre as motivações e necessidades dos clientes;
  • Criação de um relacionamento mais sólido com os clientes e maior fidelização.

Ficou claro como funciona a metodologia Lean para gestão de startups? Agora que você já está mais inteirado sobre o assunto, que tal colocar esse método em prática na sua empresa?Este post foi escrito pela equipe da Siteware, uma empresa que une pessoas, operação e estratégia em um único software, para que as empresas melhorem seus resultados, sua comunicação e sua governança.

Comentários