Se vários dos tipos de fintech fazem sucesso atacando dores do mercado financeiro, as lawtechs acham seu espaço também como startups facilitadoras — mas do ambiente jurídico.

Com isso, ainda que não haja (por enquanto) uma enorme quantidade de representantes no país, elas têm um grande potencial de crescimento — muito em conta de burocracias e altos encargos presentes no mercado jurídico brasileiro. E os empreendedores estão de olho nisso.

De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), o número de empresas específicas da área do direito (lawtechs) dobrou nos últimos cinco anos, subindo de 42 empresas em 2015 para 84 no fim de 2019.

Neste texto, vamos apresentar a você o que é lawtech, quais as vantagens oferecidas por essas empresas e quais são as principais lawtechs no Brasil. Ficou curioso para saber mais? Continue a leitura!

O que é lawtech?

Junção entre “law” (lei, em português) e “techonology” (tecnologia), as lawtechs, como o próprio nome já diz, são startups que visam transformar o mercado jurídico por meio de soluções disruptivas e, de modo geral, tecnológicas.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Faça como milhares de empreendedores e receba os melhores conteúdos sobre o mundo Fintech em sua caixa de e-mail.

O que é lawtech, como atuam e quais são as principais.
O que é lawtech, como atuam e quais são as principais. Crédito: Pxhere

Desse modo, de maneira ampla, as lawtechs são desenvolvidas com o objetivo de, sobretudo, otimizar diferentes ações em escritórios de advocacia e em departamentos jurídicos corporativos. Para isso, é fundamental que empresas dessa categoria explorem e, por consequência, identifiquem gargalos nas atividades diários do meio jurídico.

E as lacunas estão longe de serem preenchidas! Como adiantamos no começo do texto, as lawtechs nasceram muito em conta de uma necessidade do mercado. Em um mundo globalizado feito o nosso, nenhum setor ou profissional do direito pode se dar ao luxo de não analisar dados, escalar atividades e acompanhar resultados com métricas. Concorda?

É importante mencionar que, no exterior, o termo lawtech é utilizado para definir empresas que desenvolvem soluções para o público final dos advogados. Já a expressão legaltech é empregada para denominar soluções ou startups que prestam serviço para o próprio mercado jurídico (advogados, advocacias e departamentos jurídicos de empresas).

No Brasil, no entanto, não há essa diferenciação. Por aqui, lawtech e legaltech são vistos como sinônimos e partilham de soluções para mudar a rotina de advogados, conectar cidadãos ao direito, trabalhar junto à atuação do Judiciário e disponibilizar até blockchain para advogados.

Leia mais: Qual a diferença entre lawtech e legaltech? Descubra o que muda

Como as lawtechs atuam?

Depois de saber o que é lawtech, pode ser que você tenha ficado curioso para entender como esses negócios atuam.

Trabalhar no meio jurídico sempre foi complexo. Isso porque não basta olhar só para uma direção, já que as informações podem vir de outros advogados, da atualização de sites dos tribunais e de outros meios.

Em meio a isso, se, antes das lawtechs, os escritórios de advocacia precisavam atualizar periodicamente os sites dos tribunais nos quais tinham processos pendentes, agora os softwares jurídicos podem desempenhar essa função de forma muito mais centralizada e eficiente. Já os departamentos jurídicos corporativos podem controlar as informações recebidas dos escritórios parceiros com muito mais facilidade.

Em resumo, por meio dos softwares e outros tipos de soluções oferecidas pelas lawtechs, pode-se centralizar, padronizar e armazenar informações (e processos) de forma ágil e segura. Basta encontrar qual é a solução que melhor combina com sua necessidade, empregá-la no cotidiano do seu trabalho e, mais pra frente, colher os frutos desse avanço.

Ficou curioso em saber quais são esses frutos? Apresentamos no tópico abaixo!

Quais são as principais lawtechs no mercado?

Para que você possa se aprofundar mais na forma como atuam, na prática, as lawtechs, separamos abaixos as 15 principais representantes desse segmento que têm crescido cada vez mais no mercado brasileiro:

  1. Docket;
  2. Looplex;
  3. OYSTR;
  4. Aurum;
  5. Doc.9;
  6. upLexis;
  7. e-Xyon;
  8. Invenis;
  9. M4Law;
  10. Oito Tecnologia Jurídica;
  11. Preâmbulo;
  12. ProJuris;
  13. Ventura;
  14. Your Open Legal Tecnologia;
  15. TWT Info.

Gostou? Com diferentes formas de atuação e modelos de negócio, as lawtechs acima têm impactado, cada qual à sua maneira, o mercado jurídico brasileiro. Seja por meio de softwares legislativos, compilação de dados, automatização de processos, entre outras ações.

Como as lawtechs atuam no mercado.
Como as lawtechs atuam no mercado. Fonte: Pxhere

Quais são as vantagens das lawtechs para o público?

Agora que você já sabe o que é lawtech, como, de forma resumida, elas atuam na prática e quais são suas principais representantes no mercado, vamos apresentar quais são as vantagens de contar com empresas do ramo.

Redução de custos

A primeira das vantagens, obviamente, diz respeito à redução de custos. Com as soluções das lawtechs, pode-se deixar de ter despesas que afetam tanto o orçamento de multinacionais, quanto clientes finais dos serviços jurídicos.

Um exemplo é que a startup inglesa DoNotPay desenvolveu uma espécie de advogado gratuito que combina chatbot com inteligência artificial. O robô-advogado já venceu mais de mil contestações de multas de trânsito no Reino Unido e em Nova York.

Ganho de eficiência

Com soluções que transformam o dia a dia da prática jurídica e permitem que os advogados utilizem seu tempo em atividades mais analíticas, um resultado evidente é o de aumento de eficiência e de produtividade. Imagine só se, em vez de gastar um tempo procurando informações em pilhas de papel, você pudesse acessá-las em um só lugar e conseguisse fazer uma busca por palavra-chave? Seria mágico!

Transparência dos serviços

Outro ponto interessante é que a tecnologia possibilita que você confira mais transparência às informações e ao próprio negócio de maneira mais sistematizada. Isso porque a tecnologia é um grande agente na democratização dos serviços jurídicos, já que tem o poder de torná-los acessíveis a todos. Dessa forma, a sociedade toda pode ganhar.

Aumento do acesso à lei

Além de tudo, as lawtechs ajudam de maneira decisiva na tarefa morosa da pesquisa legal. Com muitas soluções de inteligência artificial que ajudam na busca por minúcias que podem ser decisivos em uma ação, também cresce, por conseguinte, o acesso à lei. O direito, de forma ampla, é enriquecido.

De uma forma ou de outra, as lawtechs constituem um interessante segmento de startups que vem para contribuir bastante com a população. Seja auxiliando advogados na procura de incisos ou municiando cidadãos sobre seus próprios direitos, a presença dessas empresas no mercado só tende a crescer. Que bom, não acha?

Se este texto ajudou você a entender o que é lawtech, como elas funcionam, quais suas principais representantes no mercado e, por fim, quais as vantagens de contar com suas soluções, ficamos extremamente satisfeitos. Agora só falta você fazer uma visita ao nosso blog e ficar por dentro de informações tão legais (com perdão do trocadilho) como as que apresentamos aqui!

Comentários