Precisa pegar dinheiro emprestado e não quer pagar as altas taxas dos bancos tradicionais ou enfrentar toda aquela burocracia? Ou você quer saber o que é peer to peer lending porque está pensando como uma alternativa de investimento? Então você chegou no lugar certo. Saiba tudo sobre esse tipo de fintech e saia ganhando.

Com a conturbada situação econômica no país, não é difícil encontrar pessoas que precisam recorrer a um empréstimo. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revelou que dois em cada dez brasileiros recorreram a algum tipo de empréstimo nos últimos 12 meses.

O-que-é-peer-to-peer-lending

A maior parte dos entrevistados (39,1%) disse que escolhe o melhor tipo de empréstimo, levando em consideração a opção que oferece as menores taxas e juros e 21% consideram a taxa do empréstimo dos bancos tradicionais ou financeiras abusivas, 36,3% alta e 34,9% razoável.

É nessa dor do consumidor que as fintechs Peer to Peer lending encontraram um espaço para ocupar, oferecendo empréstimos com taxas bem mais baratas do que os bancos tradicionais.

Continue lendo este artigo para saber o que é Peer to Peer lending e como funciona, quais são as principais fintechs, como é a regulamentação e se vale mesmo a pena investir seu dinheiro nisso ou pegar dinheiro emprestado.

O que é Peer to Peer lending?

Peer to Peer lending, também conhecido como P2P ou P2P lending, é o empréstimo feito entre pessoas, sem a interferência ou intermediação de instituições bancárias e financeiras. O empréstimo é feito totalmente online, por meio de uma fintech P2P. 

Outra forma de entender o que é Peer to Peer lending, o empréstimo por fintechs P2P, é pensar no conceito de economia compartilhada. Pois, as pessoas com dinheiro extra emprestam esse dinheiro, por meio de fintechs, para indivíduos ou empresas que precisam pegá-lo emprestado. 

O Peer to Peer lending é mais comum entre pessoas ou para pequenas empresas. Ele  também é chamado de empréstimo pessoa a pessoa ou empréstimo social. 

Ele surgiu em 2005 no Reino Unido, com a pioneira plataforma digital Zopa. Esse modelo se tornou popular e ganhou espaço no mundo todo, principalmente nos Estados Unidos, que hoje é o maior mercado de P2P lending.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Faça como milhares de empreendedores e receba os melhores conteúdos sobre o mundo Fintech em sua caixa de e-mail.

Como funciona fintech P2P

Agora que você já sabe o que é Peer to Peer lending, veja como funciona, para ficar ainda mais claro o processo.

Uma fintech P2P é como uma rede que possui várias pessoas querendo emprestar o dinheiro e outras tantas precisando pegá-lo emprestado. Ela conecta todas essas pessoas, tornando o processo de empréstimo relativamente fácil para todos os envolvidos. 

O Peer to Peer lending funciona de forma diferente do que obter um empréstimo de um banco ou cooperativa de crédito. Quando você pega um empréstimo do banco, o banco usa o dinheiro de outros clientes para financiar o seu empréstimo.

Ou seja, investidores aplicam dinheiro em um banco, que o empresta ao cliente que precisa. Com isso, os bancos lucram cobrando uma quantia alta de quem recebe o dinheiro – mais alta do que aquele valor de rendimento repassado ao investidor.

No fim das contas, as taxas de juros são altas e os investidores não conseguem ter um rendimento tão bom.

Com as fintech de empréstimo entre pessoas, tanto quem empresta como quem pega emprestado o dinheiro se fala diretamente. Os investidores conseguem ver e selecionar exatamente quais empréstimos querem financiar

Como o processo é todo feito online e as fintechs são bem enxutas e não dependem de tanta estrutura como os bancos, tudo fica mais barato e a taxa de inadimplência também diminui.

Contudo, é bom ficar atento, não confunda o que é Peer to Peer lending com as fintechs para empréstimo. Elas funcionam como bancos tradicionais, fazendo o intermédio entre ambas as partes, mas cobram taxas bem menores que as instituições financeiras tradicionais.

Infográfico: O que é P2P Lending  e como funciona

Para visualizar o que é o peer to peer lending, fizemos um infográfico ilustrando como funciona o processo:

o-que-e-peer-to-peer-lending-infografico

Regulamentação

Desde 2018, o Banco Central regulou as fintechs de crédito, criando a Sociedade de Crédito Direto (SCD) e a Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP). A SEP é a que regula as fintechs P2P. 

Dessa forma, para entrar em operação, as fintechs que quiserem operar como SEP devem solicitar autorização ao Banco Central. Para isso acontecer, os proprietários das fintechs devem enviar uma série de documentos e informações, como comprovar a origem dos recursos utilizados no empreendimento.

Esse modelo de empréstimo entre pessoas já é consolidado em outros países, como nos Estados Unidos. Lá, a maior plataforma é o LendingClub, com mais de 2,5 milhões de clientes e já intermediou mais de 44 bilhões de dólares.

Principais fintechs P2P lending

Mova

A startup MOVA foi a primeira instituição financeira aprovada pelo Banco Central como Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP)

Com uma estrutura enxuta e uso intensivo da tecnologia, a fintech busca reduzir os custos e a inadimplência das operações a fim de oferecer menores taxas de juros para o financiado e maiores retornos para o investidor.

A empresa é resultado de uma sociedade entre os controladores do grupo Omni e o CEO da companhia, Roberto Felipe Tesch.

Para ter um financiamento aprovado o solicitante não pode ter nenhuma restrições no CNPJ ou CPF. Fora isso, não há pré-requisitos para cotar uma taxa de juros personalizada, basta se cadastrar na plataforma.

Além disso, a MOVA avalia a capacidade de pagamento da dívida e atribui uma nota de rating para as propostas. Caso você ofereça alguma garantia, aumenta as chances de aprovação, mas não é um pré-requisito.

Biva

Você já sabe o que é P2P lending, certo? Então, é uma das fintechs responsáveis por fazer a conexão on-line oferecendo empréstimos para empresas e enquanto investidores podem ter melhores rendimentos do dinheiro aplicado.

Nessa plataforma, empreendedores simulam e fazem uma solicitação de crédito, enquanto, na outra ponta, investidores preenchem o formulário de perfil de risco (suitability) que depois de aprovados estão aptos a investir nas empresas selecionadas pela Biva. 

A Biva recebe vários pedidos de crédito que passam por uma checagem do setor de análise de crédito e são distribuídos em grupos chamados de portfólios. Esses grupos são categorizados de acordo com o tamanho da empresa.

Após isso, elas são então apresentadas aos investidores da Biva que podem escolher cada empresa na qual gostaria de investir. Tudo isso com base em informações detalhadas, gráficos e análises.

Mais de uma pessoa pode investir para atingir 100% do valor solicitado, quando isso acontece e depois de os investidores transferirem os recursos, o portfólio ou empresa é então financiada.

Os investidores recebem os Recibos de Depósito Bancário e os empreendedores recebem os valores na conta da empresa. Dessa forma o empréstimo é concretizado e o investimento iniciado. Nos meses a seguir os investidores receberão seu principal + juros e os empreendedores pagarão suas parcelas.

Para quem quer investir, a fintech oferece uma taxa Interna de Retorno de 15% a 25% ao ano e investimento mínimo varia de R$2.000 e R$5.000.

Já para quem quer pegar o dinheiro emprestado, as taxas são a partir de 2,0% a.m. e o processo de aprovação rápido, totalmente online e não são necessárias garantias.

IOUU

A IOUU é outra fintech P2P que conecta empresas e projetos que estão em busca de crédito com investidores.

Essa plataforma oferece algumas modalidades de empréstimo, como:

  • Para empresas de pequeno e médio porte que precisam de valores entre R$ 30.000,00 e R$ 500.000,00. A taxa de juros é a partir de 1,3% até 3,9 ao mês
  • Para microempresas e microempreendedores individuais (MEIs) que precisam de valores entre R$ 1.000,00 e R$ 100.000,00. A taxa de juros também é a partir de 1,3% até 3,9% ao mês
  • Para microempreendedores (MEIs) e projetos de baixa renda que precisam de valores entre R$ 500,00 e R$ 5.000,00. Nesse caso não são cobradas taxas de juros para pagamento

Todas as empresas devem ter pelo menos 12 anos de atividade.

Já para aquelas pessoas que estão buscando nas fintechs P2P uma forma de variar o investimento, a IOUU oferece as três opções:

  • Investimento coletivo: nesse caso o investimento mínimo é de R$ 2.000,00 e a rentabilidade é a partir de 15% ao ano. 
  • Investimento de impacto: para este o investimento mínimo é de R$ 500,00 e a rentabilidade também é a partir de 15% ao ano
  • Investimento social: Investimento mínimo de R$ 100,00. O objetivo desse investimento é contribuir para causar impacto social. Ele não possui rentabilidade, contudo não é uma doação. Você recebe o mesmo valor que investiu de volta.

No gráfico abaixo divulgado pela fintech, é possível ver a variação de um investimento de R$ 10.000 na IOUU em comparação com outros investimentos:

 O que é peer to peer lending

Nexoos

A Nexoos é outra fintech P2P que oferece empréstimos com taxas mais baixas e opções de investimentos com bom retorno de rendimento.

Os empréstimos podem ser de R$25 mil até R$500 mil. As taxas de juros são de 1,14% a 4,19% a.m, sendo que o CET (Custo Efetivo Total) é de 1,9% até 5,3% a.m. Esse custo envolve taxas como IOF e comissão. 

Para solicitar um empréstimo a essa fintech a empresa deve preencher alguns requisitos, como:

  • Faturar acima de R$250 mil/ano (R$500 mil caso a empresa seja individual),
  • Possuir mais de 12 meses de faturamento comprovado
  • Extrato da movimentação bancária, conta PJ, dos últimos 4 meses
  • Não ter restrições no CNPJ

Ela não oferece empréstimos para microempreendedores individuais (MEIs)

Aqueles que querem ser investidores na Nexoos, podem escolher para quem quer emprestar dinheiro de acordo com a classificação de risco dos negócios, que vão de A a E. Os retornos dessa fintech variam entre 14% a 63% ao ano. 

Fintech P2P vale a pena?

Agora que você já viu tudo sobre o que é Peer to Peer lending, é hora de avaliar se realmente vale a pena ou não.

Antes de tomar qualquer decisão, é importante lembrar sempre de verificar todas as possibilidades e as taxas de transações. Para quem busca um empréstimo, as fintechs de P2P geralmente possuem taxas mais baixas do que as instituições financeiras tradicionais. 

Contudo, avaliar entre as fintechs qual é aquela que se encaixa melhor com seu negócio é essencial. Além disso, toda empresa ganha dinheiro de forma diferente, as fintechs podem cobrar taxas de empréstimos e multas por atraso. Tudo isso deve ser levado em consideração.

Já para quem vai investir, assim como em qualquer investimento existe um risco, como por exemplo nesse caso, da inadimplência. É preciso estar ciente disso e investir o dinheiro que não vá te comprometer. 

Para ainda mais dicas, o fundador da Nexoos explica o que é Peer to Peer lending e como a plataforma funciona. Ele fala também como o investidor que empresta dinheiro pode ter um retorno de até 30% ao ano com o empréstimo e as facilidades e benefícios para o microempreendedor. Confira no vídeo abaixo:

Depois de saber tim-tim por tim-tim o que é Peer to Peer lending, não perca mais nada sobre o mundo das fintechs. Assine já nossa newsletter e fique atualizado. 

Comentários