As empresas fintechs de empréstimo entre pessoas têm conquistado cada vez mais espaço no Brasil e no mundo devido à expansão das startups financeiras.

Também conhecida como Peer-to-Peer Lending (P2P Lending, P2P ou empréstimo coletivo, entre outros nomes), essa categoria de negócios tem chamado a atenção de muita gente.

A ascensão do P2P se deve a muitas razões, uma delas é o fato do spread bancário do Brasil ser o 2 º mais alto do mundo. Isso porque o nosso país tem uma alta concentração de instituições financeiras tradicionais e um índice de inadimplência elevado.

Percebendo nesse cenário uma oportunidade de desburocratizar o sistema, muitas fintechs de crédito têm apostado no P2P Lending, e estão despontando como uma bela saída tanto para quem precisa de empréstimo, como para quem quer investir.

Afinal, como funciona o empréstimo entre pessoas por meio de fintechs? Esse modelo é rentável para o investidor? Há riscos? Há taxas para o empreendedor que precisa de empréstimo? Quais fintechs oferecem essa classe de economia compartilhada?

Leia esse artigo e descubra todas essas respostas!

Como funciona o empréstimo entre pessoas com Fintechs?

O empréstimo entre pessoas por meio de fintechs funciona de forma simples. Por meio de plataformas digitais, essas startups financeiras permitem que pessoas invistam em pessoas sem o intermédio de um banco tradicional.

Essa modalidade também é chamada de P2P, porque em uma ponta fica o empreendedor (que solicita o empréstimo) e na outra o investidor (que o concede).

Essas operações são feitas por meio de uma ferramenta eletrônica e o limite de empréstimo por credor para cada devedor é de 15 mil reais.

Porém, isso não impede que uma pessoa física contrate empréstimos superiores a esse. Só que, para isso, precisa buscar outros investidores.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Faça como milhares de empreendedores e receba os melhores conteúdos sobre o mundo Fintech em sua caixa de e-mail.

Esse tipo de economia compartilhada começou na Inglaterra, em 2005, e ganhou muitos adeptos pelo mundo após a crise de 2008.

Logo, a modalidade surgiu como uma solução para democratizar e facilitar o acesso ao crédito,fomentando a competição e, com isso, estimulando a queda dos juros.

No Brasil, as fintechs que oferecem o empréstimo entre pessoas também estão ganhando forte espaço, pois o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou, em 2018, a regulamentação da atividade das startups financeiras de crédito no Brasil.

Essa autorização as liberou de estarem vinculadas a bancos e também as habilitou a fornecer empréstimos por meio de plataformas eletrônicas, fato que impulsionou o  P2P.

Vantagens e riscos do empréstimo entre pessoas pelas fintechs

O empréstimo entre pessoas por meio das fintechs apresenta vantagens bem significativas.

São elas:

  • taxas de juros muito mais competitivas para quem necessita de recursos;
  • rentabilidades bastante atrativas para quem investe (maiores que as proporcionadas por outros tipos de aplicações,como o CDB e o Tesouro Direto);
  • processo ágil e sem burocracia;
  • transação 100% online.

Já deu para perceber que além do caráter desburocrático e facilitador, o empréstimo entre pessoas oferecidos pelas fintechs conta com benefícios expressivos tanto para empreendedor como para o investidor, certo? Agora, você deve estar se perguntando: e os riscos?

Segundo Warren Buffet: “O risco vem de não saber o que você está fazendo”. Em outras palavras, todo investimento tem risco, mas é possível minimizá-lo por meio de estudo.

Assim, quem investe nessa economia compartilhada deve levar em consideração o risco de inadimplência. Porém, ele é calculado, porque todas as empresas passam por análises de aprovação criteriosas.

Quais fintechs realizam o empréstimo entre pessoas físicas?

Já há no mercado, fintechs de renome que têm ajudado os empreendedores a conseguirem crédito de forma facilitada. Você quer investir ou está em busca de um empréstimo?

Então, conheça as fintechs que o oferecem esse tipo de transação!

Nexoos

Foi a Nexoos que trouxe o P2P Lending para o Brasil. Essa fintech tem como proposta ligar pessoas físicas e pequenas e médias empresas, tornando o crédito mais barato para o empreendedor que precisa dele, e proporcionando bons rendimentos para quem investe.

Com opções de retorno de 16,77% a 46,44% ao ano para os investidores, a Nexoos também se apresenta como uma ótima alternativa para os empresários que não podem arcar com custos elevados.

Prometendo análise rápida e processos transparentes, a companhia conta com taxas de juros de 1,30% a 3,23% ao mês.

TuTu Digital

A TuTu Digital também é um fintech que se destaca na categoria empréstimo entre pessoas. A empresa já superou a marca de R$ 2 milhões com financiamento coletivo e projeta crescer dez vezes mais em 2019.

Para o investidor, a empresa promete cinco vezes mais retorno financeiro quando comparado ao investimento em poupança. Já para quem solicita o empréstimo, os juros são até dez vez menores se comparados com os de um banco convencional (a partir de 1,9% ao mês).

Kavod Lending

Essa empresa também aposta no  P2P por meio de um processo bastante ágil. A Kavod Lending oferece retornos para os investidores de 14% a 27% ao ano e não cobra nem taxas de investimento, nem recebimento de parcelas.

Para quem solicita o empréstimo, a companhia promove rápida aprovação, com taxas de juros a partir de 1,20% ao mês.

IOUU

Com o objetivo de reinventar os serviços financeiros tradicionais, a IOUU também tem aquecido o mercado. Por meio de sua plataforma, a fintech concede empréstimos para empresas com juros a partir de 1,3% ao mês.

Nesse processo, o investidor também tem vantagens, pois pode contar com rentabilidades muito mais significativas do que as apresentadas por aplicações de renda fixa.

Biva

A Biva também está competindo de forma considerável nessa classe de  economia compartilhada, promovendo facilidade e pouca burocracia nos processos de solicitação de crédito.

A fintech promete para os investidores rentabilidades superiores às das tradicionais aplicações de renda fixa. Para os empreendedores que solicitam o empréstimo, a Biva cobra taxas justas, com juros bem mais baixos que os dos bancos.

No decorrer desse artigo você entendeu a ligação entre as fintechs e o empréstimo entre pessoas, ficou conhecendo seus riscos e vantagens e, de quebra, descobriu quais as principais startups financeiras que apostam no P2P Lending, certo?

Quer ficar por dentro do mundo das Fintechs? Assine nossa newsletter e não perca nenhuma novidade!

Comentários