Contratar um empréstimo para quitar dívidas tem sido, de longe, o maior dos motivos para recorrer a esse recurso. Segundo uma pesquisa da Fintech Bom Pra Crédito, cerca de 53% dos empréstimos feitos em 2020 foram de brasileiros que optaram por fazer um empréstimo para pagar dívidas.

Isso mostra o quanto fazer um empréstimo para pagar dívidas é uma saída comum ao brasileiro.No entanto, nem sempre contrair uma nova dívida para quitar a anterior é vantajoso. 

Continue lendo para entender melhor! 

Quando vale a pena pegar um empréstimo para pagar dívidas?

Em alguns momentos financeiramente piores, muitos recorrem a medidas drásticas para resolver dívidas, como vender a casa ou um automóvel. Contudo nem sempre é necessário se desfazer de um bem para sanar débitos .

Alguns cenários favorecem um empréstimo para quitar dívidas, vamos aos principais:

Limpar o nome

Em geral, ter o nome livre de restrições é sempre vantajoso, seja para usar cartão ou para conseguir um financiamento (dentre vários outros benefícios). Um dos pontos que mais valem um empréstimo para quitar dívidas é o score.

Se você possui um score alto significa que você tem um bom crédito na praça. Entretanto,  se atrasar alguma conta e seu nome vai parar nos órgão de proteção ao crédito, rapidamente sua pontuação irá cair e ficará difícil recuperar depois.

Veja o vídeo abaixo para entender melhor como funciona o score:

Além disso, empresas como o SERASA costumam ter feirões de renegociação de dívidas, oferecendo descontos, o que pode ser uma boa oportunidade.

Desconto na quitação

Conforme já adiantamos, algumas empresas costumam oferecer descontos para quem  quitar o valor da dívida em uma única parcela. 

A explicação é muito simples: as dívidas muitas vezes se tornam muito altas por conta dos juros, e quanto mais alta, menor as chances de quitação.

Por isso, as empresas diminuem muito os juros, para conseguir incentivar o consumidor a pagar ou parcelar a dívida, uma vez que o banco pode voltar a oferecer os serviços novamente para o cliente com o nome limpo. Ou seja: todos ganham!

Rotativo do cartão de crédito

Quem usa cartão de crédito há mais tempo já deve ter caído na tentação de pagar o mínimo para manter o nome limpo e manter parte do crédito. Ao fazer isso com certa recorrência os juros compostos tendem a te sufocar.

Essa prática deve ser sempre evitada uma vez que os juros compostos são os mais altos do mercado. Segundo um levantamento da Proteste essas taxas podem chegar a 875% ao ano e tem em média juros mensais de 15% a 20%.

Por conta disso, um empréstimo para quitar dívidas pode ser, em alguns casos, mais vantajoso do que a renegociação com uma instituição ou banco. Avalie as possibilidades e faça a escolha certa.

Quando não vale a pena um empréstimo para pagar dívidas?

Para definir quando não é vantajoso contrair um empréstimo para pagar dívidas é preciso comparar as taxas de juros, o prazo de pagamento e o custo efetivo total da negociação. Afinal, em alguns casos, uma nova dívida pode acabar piorando a situação.

Em casos de financiamento, por exemplo, pode não valer a pena. Isso porque, no geral, os juros de empréstimo pessoal tendem a ser mais altos, mesmo os empréstimos consignados ou atrelados a um imóvel.

Para entender melhor, confira nosso artigo explicando por que não vale a pena pegar um empréstimo para quitar um financiamento imobiliário .

Principais cuidados ao fazer empréstimo para pagar dívidas 

Agora que você viu que em alguns casos vale a pena pegar um empréstimo para quitar dívidas, vamos listar alguns cuidados importantes antes de você fechar com qualquer empresa. 

Juros e encargos

Sempre levante todos os juros e encargos que envolvem a contratação de um empréstimo e os compare com os juros que paga atualmente e os juros de uma renegociação.

Sempre faça o cálculo do custo efetivo total da operação. Lembre-se de que além dos juros, são cobradas taxas e encargos previstos em contrato que precisam estar na conta para te dar um panorama real de quanto vai custar aquele empréstimo.

Cuidado com golpes

Uma pessoa desesperada e em busca de dinheiro fácil é tudo que os golpistas procuram. Por isso, sempre analise com calma as propostas e procure instituições reconhecidas e com cadastro no Banco Central para não piorar as coisas.

Valor da parcela

O ideal é sempre comprometer no máximo 30% da sua renda mensal. Dessa forma, você aumenta suas chances de conseguir não atrasar, uma vez que se as parcelas ultrapassarem esse valor, pode ser que você precise de outro empréstimo para quitar dívidas.

Escolha bem a instituição financeira

Hoje existem diversas opções para quem busca fazer um empréstimo para pagar dívidas além dos bancos tradicionais. Existem uma série de fintechs que permitem fazer uma simulação rápida e comparar para escolher o melhor custo-benefício. 

Tipos de empréstimos mais vantajosos

Os empréstimos mais vantajosos são aqueles com as menores taxa de juros e custo efetivo total mais baixo, e dentre as opções duas se destacam:

Empréstimo consignado

Essa modalidade engloba no geral funcionários públicos, aposentados e pensionistas do INSS, mas também podem aparecer para funcionários de carteira assinada, desde que o valor da parcela possa ser descontado diretamente na folha, contracheque ou benefício.

Por ser possível um desconto direto na folha as taxas são bem mais baixas cerca de 1,6% ao mês em média contra cerca de 7% ao mês de taxa de juros de empréstimos pessoais convencionais, segundo o Banco Central.

Empréstimo com garantia 

Outra forma de obter taxas mais atraentes é utilizar um imóvel ou automóvel como garantia. Por terem um bem de alto valor como garantia de pagamento, os bancos e instituições oferecem taxas mais atrativas.

Além disso, esse tipo de empréstimo tem prazos maiores de pagamento e oferece opções de valores maiores de crédito para quem precisa resolver pendências mais caras.

E aí conseguiu entender quando é vantajoso fazer um empréstimo para quitar dívidas? Quer saber mais sobre fintechs para fazer empréstimo para pessoa física? Veja nosso artigo e conheça algumas boas opções.
Confira também nossos artigos dissecando as principais fintechs de empréstimo pessoal como: Lendico, Geru, Bom Pra Crédito e Creditas.

Comentários