Chega o início do ano e dá preguiça só de pensar que é preciso renovar os seguros, seja de saúde, do carro ou de qualquer outro bem material. Dá trabalho pesquisar as seguradoras e comparar preços para averiguar se o valor que você está pagando está dentro do valor de mercado.  

E seguro é um dos únicos serviços que as pessoas adquirem torcendo para não precisar usá-los. No entanto, ainda assim parece que o dinheiro está sendo gasto em vão.

Mas há uma forma de solucionar muitos dessas dificuldades e burocracias que você encontra ao contratar um seguro: conhecendo as Insurtechs.

O que é Insurtech?

O termo insurtech vem da junção das palavras da língua inglesa insurance (seguro) e tech (tecnologia). Ela refere-se ao uso de inovações tecnológicas para tornar a aquisição de seguros mais rápida, prática e barata que a compra do seguro em uma empresa tradicional.

Startups têm observado o potencial do ramo para a inserção de novas práticas que deixem a contratação do seguro menos burocrática e mais personalizada.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Faça como milhares de empreendedores e receba os melhores conteúdos sobre o mundo Fintech em sua caixa de e-mail.

Quais a diferença entre uma Insurtech e uma seguradora comum?

O principal diferencial das insurtechs em relação às seguradoras tradicionais é o uso de algoritmos para analisar comportamentos e entregar produtos sob medida aos clientes.

Por exemplo, nas empresas tradicionais, quando um consumidor vai contratar um seguro para automóvel, ele paga um valor baseado nos dados preenchidos na cotação.

Isso faz com que um motorista cuidadoso que usa menos seu veículo pague o mesmo preço pelo seguro que um descuidado que utiliza mais.

Ao usar algoritmos, a seguradora consegue personalizar os planos e oferecer vantagens a quem dirige melhor.

Um bom exemplo é a Thinkseg, uma plataforma que integra consumidores, corretores e seguradoras. Ela oferece um aplicativo que analisa o modo como o motorista dirige. Quem é considerado um bom motorista pelo app, ganha um desconto de até 40% no valor do seguro.

Outro ponto positivo das Insurtechs é o uso de aplicativos, que facilitam a contratação de seguros. Assim, não há a necessidade de o cliente visitar a seguradora o tempo todo ou entrar em contato por telefone para resolver algum assunto.

insurtech

Quando surgiu as Insurtechs?

Surgido por volta de 2014, o Insurtech usa a inteligência artificial em processos de atendimento ao cliente, criação de modelos de riscos e de precificação e IoT (Internet das Coisas) em soluções de monitoramento de segurados e bens.

Essas inovações representam uma revolução na forma de exercer as funções e trabalhar com maior eficiência e agilidade, principalmente na hora de vender os produtos, fazer a gestão dos clientes e otimizar os processos de negócio da corretora.

Assim, as Insurtechs beneficiam o mercado de seguros da seguinte maneira:

– Melhorando a experiência do cliente na contratação de seguros;

– Atraindo novos consumidores para o mercado;

– Estimulando o desenvolvimento de serviços cada vez mais inovadores;

– Abrindo espaço no mercado e incentivando a abertura de outras startups Insurtechs;

– Fazendo o público em geral olhar para o setor de seguros com ‘bons olhos’.

Crescimento das Insurtechs

Os investimentos globais no setor de tecnologia de seguros tiveram um crescimento significativo em 2017, revela estudo da Accenture.

De acordo com o relatório, o número de negociações em Insurtech aumentou 39% no mundo todo em 2017, com um acréscimo de 32% no valor total de contratos, chegando a US$ 2,3 bilhões.

dados-insurtech

A América do Norte ainda lidera o setor quando se trata de valor total e número de contratos – responsável por US$ 1,24 bilhões ou 46% das negociações do ano passado -, mas esse número cresceu apenas 6% em 2017.

Já na Europa, o número de contratos aumentou 118%, o que corresponde a um terço de todos os contratos em Insurtech do mundo. O valor total aumentou impressionantes 385%, chegando a US$ 679 milhões.

No Brasil, não há dados tão precisos, mas o idealizador do evento Insurtech Brasil 2018, José Prado, revelou que desde meados de 2017 o número de startups Insurtechs mapeadas pelo site que fundou passou de 27 para 57.

O estudo da Accenture ainda aponta que os segmentos patrimoniais e de acidentes foram os mais populares para investimentos em Insurtech ao longo de 2017, respondendo a 42% dos investimentos globais, seguidos por seguros multilinha – segmentos de seguros, capitalização e previdência complementar aberta (26%) e saúde (18%).

Os seguros pessoais foram responsáveis por 68% dos investimentos Insurtech, com linhas comerciais e de aplicação mista respondendo por 26% e 6%, respectivamente.

Já a área de marketing e distribuição liderou sob o ponto de vista da cadeia de valor, em termos de investimento Insurtech, chegando a mais da metade (53%) dos negócios globais.

No entanto, existe um desafio para o crescimento das Insurtechs: o seguro é uma indústria altamente regulamentada. No setor, existem muitas legalidades jurídicas com as quais é preciso lidar.

Assim, muitas startups de insurtech ainda precisam da ajuda de seguradoras tradicionais para administrar a subscrição e gerenciar riscos catastróficos.

Especialistas esperam que à medida que mais startups Insurtech conquistarem o interesse do consumidor com um modelo refinado e uma abordagem amigável, os modelos mais digitais serão encaixados em regulamentações já existentes.

Exemplos de Insurtechs

Para saber de fato o que é uma Insurtech, é importante conhecer exemplos reais que estão mudando o mercado. Além da Thinkseg, temos outras startups insurtechs referências no Brasil e no mundo.

Youse

A primeira marca brasileira da Insurtech é a Youse, uma plataforma de vendas de seguros online da Caixa Seguradora. Os Yousers, como são chamados seus usuários, podem personalizar e contratar seguros de forma 100% online.

Existem mais de 1.000 combinações possíveis de serviços durante a aquisição de uma política.

Outra nova possibilidade trazida para o Brasil pela Youse é a contratação de uma apólice sem a necessidade de consultar qualquer corretor de seguros durante o processo, tornando o serviço mais rápido e eliminando etapas.

E caso precise de ajuda, o Youser pode contar com o apoio do time de atendimento da Youse, que fica disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Lemonade

Atuando em seguros residenciais, a Lemonade estabeleceu como um de seus objetivos mudar a mentalidade dos serviços de seguros, a fim de enfatizar seu papel como bem social, e não um “mal necessário”.

Assim como a empresa brasileira, a Lemonade oferece contratação rápida de seguros, pensando em dispositivos de internet, sem envolvimento de corretores.

Minuto Seguros

A Minuto Seguros é uma das maiores corretoras de seguros do país. Ela une a praticidade da internet com atendimento humano para facilitar a forma como os consumidores contratam seguros.

A Minuto é reconhecida pelo ReclameAqui e já recebeu investimentos da Redpoint e.ventures, um fundo do Vale do Silício.

Para desvendar o que é uma Insurtech, o programa Mundo S/A da GloboNews visitou as principais empresas do ramo, como a Youse, e fez uma reportagem bem completa sobre o assunto, que você pode conferir no vídeo abaixo.

Para entender como funcionam as startups financeiras, descobrir tudo o que elas podem trazer de benefícios para a sua vida e os produtos oferecidos por elas, inscreva-se em nossa newsletter e receba novidades quentinhas em sua caixa de entrada.

Comentários