Quer saber o que são derivativos e, mais especificamente, como funcionam os derivativos de energia? Então você chegou ao lugar certo. 

Antes de começar, é válido destacar que derivativos são uma modalidade de investimento avançado. Por isso, é fundamental operar com cautela e, acima de tudo, estudar muito a respeito do assunto e estar atento ao mercado antes de começar a investir.

Agora sim, continue lendo e saiba mais sobre os derivativos.

O que são derivativos?

Os derivativos são um tipo de investimento da renda variável, cujos preços derivam de outros ativos, como índices, moedas, taxas de juros, ações e, até mesmo, do preço da energia, os chamados “derivativos de energia”.

Ou seja, são investimentos que têm como base os preços de outros ativos. Eles estão dentre as principais opções da renda variável, que também são:

Normalmente, os investidores aplicam em derivativos para se protegerem da volatilidade do mercado, eliminando riscos, desde que os aportes sejam feitos corretamente. E é claro que também é possível lucrar com derivativos e potencializar a carteira.

Principais modalidades de derivativos

Mercado a Termo

No Mercado a Termo, é possível “travar” o preço do ativo a ser pago futuramente. Isso significa que o investidor se compromete a negociá-lo em um determinado prazo com um preço específico. 

Por isso a palavra “termo”, pois é como se fosse um contrato, um acordo. Então, se você comprar um derivativo com um preço e, no futuro,  o seu valor for maior, ainda assim você pagará o valor estabelecido em contrato.

Mercado Futuro

Apesar de muito parecido com o Mercado a Termo, uma das grandes diferenças do Mercado Futuro é o formato de liquidação do investimento

Nessa modalidade, os contratos são avaliados diariamente por um preço de referência chamado “preço de ajuste diário”. Dessa forma, as operações são ajustadas todos os dias de acordo com as expectativas do mercado.

Mercado de Opções

No Mercado de Opções, o investidor obtém o direito de fazer uma compra ou venda de um ativo em um prazo estabelecido e com um preço já definido.

Ao chegar o dia da liquidação, o titular da ação pode escolher se comprará o ativo pelo preço acordado previamente ou não. 

Swaps

Segundo definição da InfoMoney, Swap “representa um acordo entre duas partes (…) para que troquem entre si fluxos de caixa baseados em um valor de referência, um prazo e outras condições e critérios preestabelecidos.”

É possível dizer que os Swaps são uma troca de riscos e são negociadas as rentabilidades dos ativos.

Mercado de derivativos de energia elétrica

Como você pôde entender, os derivativos são contratos que protegem os investidores das oscilações dos preços de um ativo, sendo um deles a energia. Então, os derivativos de energia são um mecanismo de proteção frente às flutuações dos preços da energia. 

Com essa estratégia, há mais controle de riscos e ganho de previsibilidade para as empresas que realizam este tipo de investimento.  

No começo deste artigo, explicamos que os derivativos derivam de outros ativos. No caso da energia, o ativo é o Preço de Liquidação por Diferenças (PLD), apurado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Segundo a B3, a bolsa de valores brasileira, quem pode se beneficiar dos derivativos de energia elétrica são: 

  • “Comercializadoras interessadas em travar o preço futuro do PLD.
  • Companhias que desejam obter retorno financeiro com a oscilação de preço.
  • Investidores que desejam lucrar com a expectativa de alta ou baixa das cotações.”

A negociação é feita bilateralmente entre as partes. A B3 opera com contratos de derivativos nas modalidades Termo, Swap e Opção.

Para você entender melhor como são feitas as negociações, é importante saber como funciona o mercado de energia no Brasil e também o que é o PLD. 

Mercado de energia do Brasil 

O setor de energia elétrica brasileiro está segmentado em dois ambientes: o Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e o Ambiente de Contratação Livre (ACL). 

O ACR é composto por consumidores cativos, os quais têm acesso à energia com as tarifas definidas pelo governo. Já o ACL tem os consumidores livres, os quais operam no Mercado Livre de Energia e podem adquirir energia diretamente de empresas geradoras e comercializadoras.

Preço de Liquidação por Diferenças (PLD)

PLD é a referência de preços no Mercado Livre de Energia e valora a energia no Mercado de Curto Prazo (MCP). O cálculo considera a diferença entre a energia contratada e o volume de fato gerado ou consumido. Seu papel é “equilibrar” a oferta e a demanda. 

Confira no vídeo abaixo a explicação completa sobre o que é PLD:

Negociações de derivativos de energia

Agora que você sabe quais são os ambientes do setor elétrico brasileiro e o que é o PLD, ficará mais fácil entender a operação de derivativos de energia. 

A energia remanescente das operações no Mercado Livre de Energia podem ser negociadas no Mercado de Curto Prazo. Nele existe o mercado de derivativos, em que o preço é baseado na oferta e na demanda, e não com referência nos valores estabelecidos pela CCEE.

Dessa forma, é possível dizer que o mercado de derivativos de energia atua entre os agentes que querem se proteger das oscilações do mercado e o preço determinado com a garantia física. 

O ganho nessa operação é a diferença entre o preço da oferta e da demanda, e o preço estabelecido pelos agentes para o PLD. Hoje a divulgação do PLD é feita de hora em hora, por isso também é chamado “PLD horário”.

Com o mercado de derivativos de energia, os investidores se protegem, de modo que tanto os agentes do Mercado Livre de Energia quanto do Mercado Cativo podem atuar diante das oscilações de preços. 

Vale explicar que a energia negociada aqui não é uma energia física, mas sim uma garantia entre as partes da negociação de haver uma remuneração entre o valor negociado e o PLD divulgado. Ou seja, um ativo financeiro, o qual é classificado como valor mobiliário. 

A negociação de derivativos de energia protege as empresas, pois elas não se expõem tanto à volatilidade de valores no MCP. Por exemplo, um consumidor do Mercado Cativo pode fechar um contrato de longo prazo e utilizar a ferramenta do curto prazo para se proteger da oscilação do mercado nesse ínterim. 

Esperamos que você tenha entendido o que são derivativos e como os derivativos de energia funcionam. 

Aproveite para ler também o artigo: “Como o preço de energia no Mercado Livre é definido?”.

Esse artigo foi escrito pela Esfera Energia, empresa referência nacional em gestão de energia no Mercado Livre de Energia.

Comentários